PANACÉIA DELIRANTE

terça-feira, 21 de abril de 2009

Eu e João

Na época da escola era engraçado: Aquela menina pequenininha andando de lá para sempre acompanhada de um garoto enorme. O porteiro começou a falar que era meu guarda costas, mas a verdade era que EU que exercia esse papel.
João jamais foi meu amigo. Não sei como e nem quando, pulou de colega de escola para irmão. Irmão sim, ou pelo menos é assim que sinto: irmão mais novo, embora seja mais velho. Não consigo lembrar quando começamos a andar juntos e muito menos o por que: temos gostos diferentes, jeitos e até as atitudes... Tem o Teatro. Será que o teatro nos uniu antes mesmo de descobrirmos o amor pelo teatro? Seria o teatro uma força parecida com o destino?
Sinceramente, acho que não.
Acho que entre mim e João existe espaço para ser bobo, bobo mesmo, falar um monte de babaquice e dar risada das coisas mais idiotas do mundo. Sem julgamentos, nem satisfações. João é daquelas pessoas que agente pode mandar ir para a porra num dia e convidar para o cinema no dia seguinte. Ou cinco minutos depois.
Escrevo esse texto em comemoração ao seu aniversário, um texto pode não ser uma roupa ou um porta retrato, mas é uma demonstração pública de afeto ao meu amigo mais antigo (ou melhor, ao meu irmão mais recente).
Feliz aniversário,

Larete

2 comentários:

Fulô de Pitanga [Laura Franco] disse...

tenho lido você... compulsivamente.

João Marcelo Dantas disse...

AMoooooo
pessoa que caiu de para-quedas em minha vida, e agradeço plenamente por ter vc do meu lado.
Minha Larete, minha coisa fofa...
bjaooo