PANACÉIA DELIRANTE

domingo, 7 de dezembro de 2008

ESTÚPIDA - um texto sem reticências

Ainda na escola, quando descobri o que era um blog, confesso que achei uma idéia estúpida:
- Para quê uma pessoa pública seu próprio diário?
Hoje, enquanto escrevo essas primeiras linhas ,paro para pensar e vejo: Blog é uma idéia estúpida!
Só existem duas conseqüências para um blog aberto ao público: a superexposição ou a autocensura.
Procuro as motivações que levam pessoas a criar um blog: Será para suprir a vaidade de ter publicado algo, nem que seja uma letra de música que você NÃO escreveu? Será uma iniciativa com fins terapêuticos, um exercício de abertura ou coisa assim? Será uma tentativa de mostrar para os leitores, que muitas vezes são amigos, uma faceta mais profunda de si, mais lírica, desorganizada, um relato diário do seu universo interior despido para quem quiser espiar?
Nunca fui dada a diário, não organizo meus poemas (mal consigo fazer com meus pensamentos!), mas decidi fazer um blog para ver se na sexta feira, quando der uma olhadela em tudo o que foi escrito, consiga achar algum sentido em toda essa estupidez.

Dedicado à Milena Flick, a concha que se abriu e fechou um pouco e me serviu de inspiração.
À Camila Guilera, que estava comigo quando bati o carro e será minha co-pilota no racha do próximo fim de semana (já consigo fazer piada!)

4 comentários:

Fulô de Pitanga [Laura Franco] disse...

Render-me à sua estupidez. Um ato estúpido e encantador extamente por isto.

Fulô de Pitanga [Laura Franco] disse...

E que história é essa de bater o carro, hein muié? Tá tudo certo contigo?

camila_guilera disse...

.. Talvez sirva pra os amigos descobrirem que você escreva poemas... E pra saberem que estão convocadas pra um racha! (eu gosto das reticências)

E, me desculpe, mas não tem ridículo nem desorganização nenhuma! VocÊ é meu arquétipo. E ponto.

Milena Flick disse...

Entendi as indiretas... Tudo bem!
hauihaiah
Qualquer dia desses eu me abro um pouquinho de novo. Aliás, hoje eu postei sobre você, depois te mostro.
Bem vida! Canteremos uma ode à Estupidez! Qualquer dia desses...