PANACÉIA DELIRANTE

sexta-feira, 17 de julho de 2009

O enterro do sentimento

Um dia ela acorda e sabe:
-"É em vão"...
Levanta, se veste, vai ao trabalho. Não fala muito.
Os outros não sabem, mas está velando. Luto.
Termina o expediente. A chamam para o bar, ela recusa.
Chega em casa: talvez chore, talvez beba, talvez coma uma panela de brigadeiro. Dorme em fim.
Dia seguinte:
Levanta, se veste e vai ao trabalho. Está linda e nem é seu melhor vestido.
As cobras só trocam de pele escondido...

Um comentário:

Monique Monteiro disse...

lindo, lindo, lindo!!!